Apagões atingem ruas da Barra, do Recreio e de Jacarepaguá

Padrão

A falta de luz já se tornou rotina para moradores do condomínio Blue. Há cinco anos, eles tentam encontrar soluções para lidar com o problema. A moradora Maura Freire instalou luzes de emergência no quarto e no banheiro da casa do pai, de 71 anos, para evitar problemas.

— Tivemos muitos problemas com o serviço da Light no verão passado, quando resolvi colocar luzes de emergência para a segurança de meu pai. Mesmo assim, a falta de energia elétrica ainda influencia nossas vidas. Em janeiro, teve um dia que a luz acabou no início da noite e só voltou na manhã seguinte. Neste dia, eu e meu pai tínhamos um compromisso que foi cancelado, já que os elevadores não funcionavam e meu pai tem dificuldades para se locomover. Ele não pode usar as escadas — conta Maura.

Presidente da Associação de Moradores do Blue das Américas, Mady Araguez conta que os moradores agora têm estabilizadores e no breaks em todos os aparelhos de suas casas. Nem assim o problema é resolvido. Os picos e a falta de luz são frequentes. Ela também conta que, no apagão do início do ano, todos os moradores que ligaram para a concessionária foram informados de que nenhuma reclamação havia sido realizada.

— Foram feitos mais de 30 protocolos. Mesmo assim, a Light afirmava que ninguém havia ligado para reportar o problema. Naquele dia perdi o micro-ondas, o forno elétrico, dois estabilizadores, além do liquidificador, de fontes de telefone sem fio e de duas placas controladoras de aquecedor — diz Mady.

Ela também se queixa da falta de qualificação dos funcionários da empresa.

— Num dos consertos que vieram fazer, quando trocaram uma fase, mudaram também os cabos de força de lugar. Aí na semana anterior ao Natal ficamos sem luz em alguns cômodos da casa. Só depois de três semanas a Light apareceu — afirma Mady.

Na Rua Campos Novos, no Jardim Oceânico, as queixas são as mesmas.

— Aqui tem muitos piques de luz e as fases acabam queimando, o que faz com que fiquemos sem energia elétrica. A minha geladeira já quebrou e já deu uma pane no meu ar-condicionado. Na última vez, o meu sistema solar queimou e tive que gastar R$ 800 com o conserto. Tenho medo de perder outras coisas — explica Rosane Bekierman, moradora do número 20 da rua.

A demora pelo atendimento da Light também é sentida nessa parte do bairro.

— Teve uma vez que ligamos para a emergência às 17h. Eles só chegaram às 3h30m. Para piorar, nossa caixa de luz fica dentro do prédio 74, o que impossibilitou o conserto — conta Rosane.

Ela acrescenta que a falta de energia acontece quinzenalmente na Rua Campos Novos. Também é sentida na esquina com a Rua General Lobato Filho, no número 94.

— Os elevadores param de funcionar e alguns cômodos da casa ficam sem luz. É um transtorno, já que tem idosos que moram aqui e não podem utilizar as escadas — diz Célia Muniz, moradora do número 51 da Rua Campos Novos.

Para Wania Bueno, moradora do condomínio Santa Mônica Jardins, as preocupações com o fornecimento de energia elétrica vão além das perdas materiais. Ela teme que a saúde de sua mãe, Hilnah Jorge, seja afetada pelas falhas da Light.

— Nos últimos dois meses, aconteceram cinco faltas de luz. Minha mãe tem 86 anos e é cardíaca, diabética, cadeirante e tem um pulmão atrofiado. Para fazer fisioterapia respiratória, ela utiliza uma máquina que depende da energia elétrica. Cheguei a comprar um aparelho manual, mas o efeito não é o mesmo — diz Wania.

Ela também queixa-se da demora da Light:

— Em um dos apagões, ficamos horas presas na portaria do prédio. Foi um transtorno. Três porteiros tiveram que subir cinco andares de escada com minha mãe numa cadeira. Ela precisava comer e tomar insulina. Nós não tínhamos o direito de ir e vir em nosso próprio edifício. O resultado foi o nervosismo da minha mãe, o que fez com que ela passasse mal.

Sérgio Murilo, síndico do Santa Mõnica Jardins, conta que a empresa tem sempre justificativas diferentes para problemas recorrentes.

— Da última vez, a Light pagou um gerador e o contratempo só foi resolvido no dia seguinte, com a troca dos cabos da rua. Quinze dias depois, ficamos sem energia novamente e a causa do problema já era outra — afirma Murilo.

Na Taquara, as mudanças climáticas são fator determinante para o funcionamento da rede elétrica.

— Quando venta ou chove muito, já sabemos que a luz vai acabar. Os picos de luz são frequentes. No fim do ano passado, tive que gastar R$ 710 para consertar minha televisão. Este ano, arquei com a despesa de R$ 260 pelo reparo da geladeira — conta Cidinéia Paes.

A assessoria de imprensa da Light informa que recentemente foram finalizadas obras de melhorias e ampliação do sistema elétrico da região do Recreio dos Bandeirantes, Barra da Tijuca e Jacarepaguá. Explica ainda que, além da Subestação Recreio, em funcionamento, está sendo construída a nova Subestação Barra II, com 18 novos circuitos de distribuição. Também avisa que iniciará a construção da nova Subestação Gardênia, em Jacarepaguá, que disporá de 16 novos circuitos de distribuição de energia. As subestações visam a proporcionar aumento da capacidade de fornecimento de energia para atender à crescente demanda e disponibilizar recursos na rede de distribuição para agilizar o restabelecimento da energia em caso de falhas no serviço.

A Light explica que, apesar de todo o investimento, o sistema elétrico está sujeito a intempéries e falhas, inerentes ao serviço de distribuição de energia. Por meio de nota, a empresa informou que, no dia 26 de janeiro, por exemplo, foi registrada a ocorrência de um poste abalroado na Avenida Salvador Allende, em frente ao condomínio Blue. Duas linhas de média tensão foram destruídas, o que ocasionou a interrupção do fornecimento de energia.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s